Compartilhe o
nosso conteúdo
Dê a sua opinião

Rodovia é um impasse ao desenvolvimento

PR 323

22 de Abril de 2019 Gilson Aguiar
Este final de semana, com feriado prolongado, tivemos que somar mais oito mortes na rodovia PR 323. Fato constante em uma das rodovias mais perigosas do Estado. O trecho de 207 km é fundamental para o escoamento da produção, comércio e pessoas. Ele liga duas importantes cidades, Maringá a Umuarama, e mais inúmeros municípios que estão na rota destes dois polos metropolitanos. Fora isso, é um ponto de ligação com o Mato Grosso do Sul.

Em 2017 foram 334 acidentes, 217 feridos e 17 mortes na rodovia. Os números sobem ano a ano. Em conjunto a isso a rodovia se transforma em um obstáculo a investimentos na região. Os riscos e limitações que ela traz afasta a instalação de empresas e ampliação de empreendimentos.
Mas o problema não é só da PR 323. Hoje, no país, segundo levantamento da Consultoria Oliver Wyman, seria necessário 4% do Produto Interno Bruto (PIB), investido por 25 anos, para uma condição mínima de infraestrutura. As rodovias são as que mais exigem investimentos, a situação é crítica.

Segundo a própria Consultoria Oliver Wyman, uma das saídas seria o investimento privado no setor de transporte. Uma Parceria Público-Privada (PPP). O que já foi tentado pelo governo Beto Richa, em 2013. Um consórcio liderado pela empreiteira Odebrecht, chamado Rota 323 acabou naufragando. Incapaz de cumprir a execução da obra e envolvido em pagamento de propina, denunciada na Operação Lava-Jato, a obra foi suspensa.

Hoje, o governador do Estado do Paraná, Ratinho Júnior, fala em fazer uma recuperação da rodovia, através de implantação de acostamentos, colocação de terceira pista e recuperação do asfalto em alguns trechos. Mas as obras não começaram.
Também, o governo fala da duplicação do trecho Paiçandu a Doutor Camargo, começando este ano e terminando no ano que vem. Uma expectativa, mas ainda pequena diante de uma necessidade maior que é a duplicação de toda a rodovia.

É fundamental continuarmos lutando pela duplicação da PR 323. Por todos os meios e formas. Através de denúncias e retratando o estado em que a rodovia se encontra e o risco que ela representa a vida das pessoas. Também, o quanto ela é um limitador de investimentos para promover o crescimento das regiões que são cortadas pela PR.
seta-top