Compartilhe o
nosso conteúdo
Dê a sua opinião

Em alta

Ovinocultura movimenta negócios na Expoingá 2018

08 de Maio de 2018 SRM
O melhoramento genético, a profissionalização dos criadores e a maior procura da carne de carneiro são alguns dos fatores que levam a ovinocultura da região de Maringá a viver o melhor momento. O plantel dobrou, nos últimos 10 anos; pelo menos, seis novas raças estão sendo introduzidas no rebanho regional; e aumentou o número de criadores na atividade.

Para o diretor de Eventos do Núcleo de Criadores de Ovinos da Região de Maringá (Ovinomar), economista Fernando Marcos Urgniani, um retrato claro da boa situação da ovinocultura está sendo a comercialização de animais, durante a 46ª Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Maringá. Nos três primeiros dias da Expoingá 2018, mais de 100 ovelhas e carneiros foram vendidos, número que superou as vendas de todos os dias das duas edições anteriores do evento.

“Na época em que se começou a falar em carneiros na região, o interesse do consumidor era pequeno. Primeiro, porque havia muito preconceito com relação à carne de ovinos; segundo, porque boa parte dos criadores não dominava a tecnologia, não sabia ainda como fazer um bom manejo e muitas vezes o animal era abatido com idade avançada, o que deixava a carne pouco palatável”, afirma Urgniani.

Segundo ele, nos últimos anos a situação mudou porque o criador entendeu que estava na hora de se profissionalizar, buscando matrizes de qualidade e investindo em genética. “Hoje, temos a profissionalização da cadeia completa, com criadores que produzem, engordam e encaminham para o abate”, explica. Completando a cadeia, atualmente, a região conta com um abatedouro, em Floraí, e uma sala de corte está sendo instalada em Maringá, acabando com os chamados “abates de fundo de quintal”.

“Além disto, agora, a criação paranaense conta com uma das genéticas mais avançadas do Brasil e o produtor não depende mais de buscar material em outros Estados”, ressalta Urgniani.

Outro fator que contribui é a chegada de novas raças, muitas delas voltadas para a produção de carne, como a Suffolk, também conhecida como Cara Negra, que atinge 80 quilos em 22 meses e oferece um rendimento de 65% de carcaça. Outras raças que estão sendo introduzidas no rebanho regional com grande aceitação são a Corridale, Crioula, Bergamácia, Laucane e Hampshire Down, todas bastante conhecidas em outras regiões brasileiras.

As raças que já vinham sendo criadas na região nos últimos 15 anos, como a Dorper, Dorper White, Santa Inês, Ile de France e Poll Dorset estão sendo aprimoradas pelos investimentos em genética.

REBANHO
25 mil
é o número aproximado de cabeças criadas na região de Maringá; no Paraná, são 200 mil
seta-top