Compartilhe o
nosso conteúdo
Dê a sua opinião

Mercado financeiro

Investimento sem segredo

03 de Dezembro de 2018 Assessoria SNV Investimentos
Qual o segredo para lucrar com investimentos em fundos de ações no Brasil?

Existe vida além do CDI, e uma vida muito melhor. Este foi um dos recados de Henrique Bredda, especialista em bolsa de valores e gestor do Alaska Black, considerado um dos fundos de investimentos mais lucrativos do País, a quase 150 participantes de um encontro promovido pela SVN Investimentos, realizado em Maringá. O criador do Alaska, o megainvestidor Luiz Alves Paes de Barros, também participou do evento, no dia 29 de novembro, na ACIM - Associação Comercial e Empresarial de Maringá. Atualmente, o Alaska tem cerca de R$ 7,5 bilhões de investidores. O negócio, fundado em 2015, teve um crescimento rápido, acumulando ganhos de mais de 352% em 27 meses.

O mercado de ações ainda é considerado por muitas pessoas, “um bicho de sete cabeças”. O gestor de ações disse que o brasileiro tem medo de fazer esse tipo de investimento por falta de conhecimento. “Se o brasileiro soubesse, de fato, o que é o investimento em ações, se conhecesse o histórico de rendimentos da Bolsa de Valores, entendesse os benefícios, os riscos, possivelmente investiria muito mais. As pessoas nunca buscaram esse conhecimento porque nunca precisaram... A renda fixa sempre foi muito gorda no Brasil. Sempre foi muito cômodo ter dinheiro em um CDI e não precisar se aventurar em nada além disso”, comentou o gestor do Alaska.

Ele afirmou que com uma taxa de juros estruturalmente mais baixa, que o Brasil terá nos próximos anos, vai forçar as pessoas a procurar outros tipos de aplicações. “E uma das alternativas é a bolsa. E, ao ter interesse, se tiver, minimamente algum tipo de ajuda, de assessoria, vai ser natural a evolução para colocar o dinheiro em ativos. É uma mudança de médio, a longo prazo”, acredita o investidor.

A recomendação de Bredda para as pessoas que pretendem aplicar o dinheiro e não entendem de economia financeira, é procurar profissionais especializados, como os assessores da SVN Investimentos, para ter informações sobre o mercado. “Por exemplo, eu não entendo nada de obra, mas preciso fazer uma reforma no meu apartamento. Então vou procurar um arquiteto, um engenheiro, um pedreiro... Se você precisa fazer um tratamento de canal no dente, não vai pegar um bisturi e na frente do espelho tentar resolver sozinho. É a mesma coisa no mercado de valores. A SVN, aqui em Maringá, é uma grande referência”, orientou o gestor do Alaska.

Previsão para a economia - Henrique Bredda está otimista com as perspectivas da economia brasileira para os próximos anos. Ele disse que não é possível ter certeza exata sobre o que vai acontecer, mas a tendência é ter uma evolução positiva. “Quando se volta o olhar para a baixa exposição dos investidores brasileiros e estrangeiros em ações no Brasil, muito abaixo da média de grandes economias, combinando isso aos preços muito baixos de ativos, com um futuro governo federal que está tentando caminhar para enxugar o estado e fazer reformas para melhorar a eficiência, a gente fica muito otimista em comprar ações no Brasil. Não digo para 2019, mas para os próximos quatro ou cinco anos acredito que vai ser um ciclo muito bom, de valorização dos ativos”, ressaltou.

Durante quase três horas, os quase 150 participantes acompanharam as análises do gestor de mercado financeiro Henrique Bredda sobre o mercado de ações. A dentista Marta Sakurai saiu entusiasmada do evento. “Achei fantástica a iniciativa da SVN em trazer essas duas referências do mercado para tirar as nossas dúvidas sobre o funcionamento de fundos de investimentos. Eu estou há mais de 14 anos procurando um bom fundo que eu possa confiar e indicar”, afirmou Marta Sakurai.

Segundo Felipe Bernardes, sócio da SVN Investimentos, quanto mais educação financeira as pessoas tiverem, melhor conseguem tomar decisões e usar os investimentos a favor delas. “Ao ter contato com essas duas lendas do mercado financeiro, que são Henrique Bredda e Luiz Alves Paes de Barros, a gente acaba aprendendo algumas coisas que são essenciais, como oscilações, riscos e ganhos. Para mim também foi uma aula, com informações extremamente valiosas. A gente promove eventos como esse para aproximar os clientes dos investidores, para que possam conhecer quem está do outro lado, o que pensam e como trabalham”, concluiu Bernardes.

Notícias relacionadas

Passageiros

Movimento cresce no aeroporto e diminui na rodoviária

Enquanto em 2018 o movimento de passageiros cresce no Aeroporto Regional de Maringá Silvio Name Júnior em comparação com o ano passado, na Rodoviária Dr. Jamil Josepetti cai a quantidade de pessoas que embarcam e desembarcam no terminal. É que o aponta levantamento do Observatório do Turismo e Eventos, núcleo de pesquisas do Maringá e Região Convention & Visitors Bureau. Em janeiro e fevereiro deste ano, o aeroporto registou 103.429 embarques e desembarques, um aumento de 6,36% em relação aos 97.238 passageiros que fizeram uso do terminal no mesmo período de 2017. Já na rodoviária, houve queda de 2,88%, passando de 236.916 embarcados e desembarcados nos dois primeiros meses do ano passado para 230.074 em 2018 – redução de 6.842 passageiros. Ainda de acordo com o levantamento feito pelo Observatório do Turismo e Eventos, o número de chegadas e saídas de ônibus na rodoviária acompanhou a queda no movimento de passageiros, caindo de 12.315 em janeiro e fevereiro de 2017 para 11.960 nos dois meses iniciais de 2018 – retração de 2,88%. Em igual período, o aeroporto teve acréscimo de 1% na quantidade de pousos e decolagens, ao ir de 1.213 no ano passado para 1.226 este ano. Sobre o Observatório O Observatório do Turismo e Eventos reúne informações para identificar os potenciais e as carências do turismo e eventos da cidade. Os dados são disponibilizados para que especialistas, poder público e privado e a sociedade civil organizada sejam auxiliados nas tomadas de decisão que envolvam o setor. São monitorados a tarifa média cobrada pelos hotéis; a taxa média de ocupação dos hotéis; o Imposto Sobre Serviços (ISS) arrecadado na área de turismo; o mercado de trabalho ligado ao turismo; a malha rodoviária; a movimentação do Aeroporto Regional Silvio Name Júnior e a movimentação terrestre pela Viapar. O projeto é patrocinado pela Viapar e tem, ainda, apoio do Sindicato dos Lojistas do Comércio Varejista de Maringá e Região (Sivamar), Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem), Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), Cooper Card e Sebrae. Todos os dados estão disponibilizados gratuitamente no site www.maringacvb.com.br/observatorioturismomaringa.

seta-top