Compartilhe o
nosso conteúdo
Dê a sua opinião

Trabalho e Vida

Economia tem na saúde emprego de qualidade

07 de Maio de 2019 Gilson Aguiar
Um dos setores mais importantes da economia de Maringá é o de saúde. A capacidade de geração de emprego no setor é um dos termômetros de seu crescimento. Não podemos esquecer o grau de especialidade que o setor exige. O que determina a geração de uma vaga de trabalho com especialidade, tanto superior como técnica.

Maringá continua sendo um polo de atração na região. Tanto para a qualificação de trabalhadores na área, como também de serviços prestados. Se levarmos em conta a geração de emprego na área da saúde, levando em consideração também a saúde animal, em 2017 foram gerados 7.924 novos postos de trabalho. O total de empregos gerados neste ano, foram 156.175.

A segunda cidade com maior captação de profissionais nesta área é Mandaguari. Em 2017 a cidade gerou 10.119 postos de trabalho, sendo que 67 foram na área de saúde humana e animal. Se compararmos com os números de Maringá a diferença é significativa. A distância aumenta ainda mais observando os números de Marialva, 47 postos de trabalho na área da saúde, e Mandaguaçu, 32.

Há uma tendência de concentração de serviços na cidade sede da região metropolitana. Maringá acaba por ser ponto de referência e convergência de especialistas para a população de toda a região. O que, de certa forma, gera demanda e permite o crescimento do potencial econômico do setor.

Sarandi é outra cidade que se destaca. A cidade gerou 11.774 empregos em 2017, sendo que 617 foram na área da saúde. Hoje a cidade é o terceiro polo econômico da região. Pela sua localização, conturbada a Maringá, acaba por captar parte da demanda regional. Uma tendência que deve se manter nos próximos anos.

Notícias relacionadas

Passageiros

Movimento cresce no aeroporto e diminui na rodoviária

Enquanto em 2018 o movimento de passageiros cresce no Aeroporto Regional de Maringá Silvio Name Júnior em comparação com o ano passado, na Rodoviária Dr. Jamil Josepetti cai a quantidade de pessoas que embarcam e desembarcam no terminal. É que o aponta levantamento do Observatório do Turismo e Eventos, núcleo de pesquisas do Maringá e Região Convention & Visitors Bureau. Em janeiro e fevereiro deste ano, o aeroporto registou 103.429 embarques e desembarques, um aumento de 6,36% em relação aos 97.238 passageiros que fizeram uso do terminal no mesmo período de 2017. Já na rodoviária, houve queda de 2,88%, passando de 236.916 embarcados e desembarcados nos dois primeiros meses do ano passado para 230.074 em 2018 – redução de 6.842 passageiros. Ainda de acordo com o levantamento feito pelo Observatório do Turismo e Eventos, o número de chegadas e saídas de ônibus na rodoviária acompanhou a queda no movimento de passageiros, caindo de 12.315 em janeiro e fevereiro de 2017 para 11.960 nos dois meses iniciais de 2018 – retração de 2,88%. Em igual período, o aeroporto teve acréscimo de 1% na quantidade de pousos e decolagens, ao ir de 1.213 no ano passado para 1.226 este ano. Sobre o Observatório O Observatório do Turismo e Eventos reúne informações para identificar os potenciais e as carências do turismo e eventos da cidade. Os dados são disponibilizados para que especialistas, poder público e privado e a sociedade civil organizada sejam auxiliados nas tomadas de decisão que envolvam o setor. São monitorados a tarifa média cobrada pelos hotéis; a taxa média de ocupação dos hotéis; o Imposto Sobre Serviços (ISS) arrecadado na área de turismo; o mercado de trabalho ligado ao turismo; a malha rodoviária; a movimentação do Aeroporto Regional Silvio Name Júnior e a movimentação terrestre pela Viapar. O projeto é patrocinado pela Viapar e tem, ainda, apoio do Sindicato dos Lojistas do Comércio Varejista de Maringá e Região (Sivamar), Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem), Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim), Cooper Card e Sebrae. Todos os dados estão disponibilizados gratuitamente no site www.maringacvb.com.br/observatorioturismomaringa.

seta-top